A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico

Assinar Canal | Academia Portal Dr | CoMental | Curso Grátis Terapia AT

 

A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico

Autor:

  • Entre Linhas / Jornal do Conselho Regional de Psicologia/RS (CRP/07). Fonte: KANITZ, Mônica (2004). A Riqueza do Inusitado. In: Equipe do CRP/07. Entre Linhas – Publicação do Conselho Regional de Psicologia CRP 07. Janeiro/Fevereiro. p. 03.
  • Entrevistadora: Mônica Kanitz – Reporter de Cultura – Mtb 8103. E-mail: [email protected]
  • Entrevistado: Alex Tavares.

A rua como espaço terapêutico, onde o ônibus que bate, o cachorro que late, o camelô que anuncia seu produto ou as brincadeiras do menino de rua contribuem para o sujeito se perceber e descobrir outros modos de agir, pensar e se relacionar.

Esta é uma das possibilidades do Acompanhamento Terapêutico (ou AT), um recurso da Psicologia normalmente encarado como terapia de segunda categoria e que vem ganhando novo fôlego e vários entusiastas no Brasil.

 

Gostou do que vem por aí? Então, ajude muitas pessoas com 1 clique! Basta compartilhar agora mesmo esse conteúdo nas suas redes sociais preferidas! Passe adiante essas informações essenciais sobre saúde que todo mundo precisa saber.

Na vizinha Argentina, o AT é uma prática reconhecida e que ganhou visibilidade no contexto da reforma psiquiátrica, ficando atrelado à realidade da saúde mental e ao tratamento da loucura.

Em terras brasileiras, entretanto, já se articula o AT com a Psicologia Cognitiva, Social, o cinema, a Psicanálise, além de filósofos, biólogos e outros pensadores, aplicando-o inclusive a questões sociais e ao estudo da mídia.

Alex Tavares dentro da área VIP do curso avançado de AT.

 

O psicólogo Alex Sandro Tavares da Silva vê no Acompanhamento Terapêutico uma maneira de promover saúde e também de alterar a percepção política dos envolvidos nesta caminha terapêutica, que também chama de Fazer Andarilho.

“Penso o Fazer Andarilho com uma maneira de ampliar as possibilidades de vida, de lidar com a vida como ela é. E isso inclui o medo, a poluição, as diferenças e tudo o mais que a cidade comporta, ou seja, tomamos estes elementos para criar intervenção”, explica o psicólogo, que está se dedicando ao assunto através da sua pesquisa de Mestrado, que cursa na Universidade Federal do RS.

Segundo ele, outro aspecto importante do AT é levar em conta o inusitado da cidade, aproveitar o incontrolável para produzir sentidos não só no acompanhado mas também em todo coletivo.

“Saímos na rua para propor outras formas de viver a vida. Não é um trabalho que visa só a mudança do sujeito, mas também a própria mudança do profissional da Psicologia e a forma como as pessoas lidam com o sujeito que está sendo acompanhado”, diz.

Para exemplificar, Tavares lembra o caso de um garoto autista que atendeu durante algum tempo no bairro onde vivia. No começo, todos o olhavam com preconceito e medo, já que o “louco” puxava os cabelos das crianças e não obedecia ninguém. Seis meses depois, o dono de um bar que antes comentava o quanto era difícil lidar com o garoto agora já admitia que preferia tê-lo como cliente porque sabia escolher e pagava na hora.

“Depois do garoto autista ter experimentado as possibilidades do seu bairro ele também foi provocando mudanças em todos. As pessoas perceberam que o sujeito que era tido como louco também podia estar articulado, bancando seus desejos e convivendo nesse contexto. E este é o aspecto político que ressalto com o Fazer Andarilho, um tipo de Acompanhamento Terapêutico que vai trabalhar na construção de outras formas de lidar com a diferença, que vai intervir em todo o contexto social”, observa Tavares.

Já aproveitar o inusitado e os fatos estranhos que podem surgir durante um Fazer Andarilho exigem uma certa predisposição do psicólogo, uma disponibilidade para circular pela cidade e entrar em contato com o incontrolável.

“Neste momento o psicólogo não tem o conforto nem a segurança do seu consultório, mas estará em contato com o que é considerado o ouro do Acompanhamento Terapêutico“, ressalta. “O Fazer Andarilho implica em fazer outras articulações teóricas e aceitar o inusitado. O psicólogo também precisa aceitar que não é só ele que intervém no tratamento do dito paciente e, além disso, participa de um outro processo de construção da cidade”, acrescenta Tavares.

A explicação vem acompanhada de outro exemplo “prático”, como o do sujeito que tinha pavor de cachorros e, numa volta pela cidade, junto com o psicólogo, se depara com um Pastor Alemão agressivo.

“Aí surgiu o incontrolável, já que eu não tinha domínio sobre a situação. O cão latia muito, o paciente estava apavorado e eu optei por ficar parado, encarando o animal, até que a dona dele apareceu. Depois disso, o acompanhado percebeu que dava para passar pelos cachorros na calçada sem, necessariamente, ser morto por eles”, conta.

 

LIVROS DE ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO NOVOS E COM DESCONTO.

 

Mas, independentemente da riqueza proposta pelos locais de circulação do sujeito, o Fazer Andarilho também pode ser usado no consultório. Afinal, o sujeito é membro de um sistema e, como tal, está mergulhado em suas possibilidades, em sua condição política.

“Ele tem a sua história, é o que pode ser e, se está no consultório, é porque o sistema está lhe causando algum sofrimento”, observa Tavares.

 

Conforme ele, outra possibilidade do AT é questionar a posição de interventor solitário atribuída ao psicólogo.

“Acreditamos que o psicólogo é quem faz a intervenção, mas podemos criar outras formas, junto com o coletivo, colocando em xeque a visão da Psicologia individualizante e ideias dadas como verdades”, completa.

O trabalho de Alex Sandro Tavares da Silva – “A Força do Inusitado e a Dimensão Política: algumas possibilidades de um certo tipo de clínica ampliada” – foi um dos selecionados para a Oficina sobre Clínica Ampliada proposta pelo CRP-07 no 3º Fórum Social Mundial. Contatos com o psicólogo pelo site http://alextavares.com.br

 

 

Sal

A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico
5 (100%) 4 votes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: