A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico


Você quer compartilhar?
 

ÚLTIMA FORMAÇÃO DE 2018 PARA TERAPEUTAS SEM FRONTEIRAS!

 

Evolução Pessoal? Saúde Mental? Produtividade Máxima? Ser Terapeuta?

 

A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico

Autor:

  • Entre Linhas / Jornal do Conselho Regional de Psicologia/RS (CRP/07). Fonte: KANITZ, Mônica (2004). A Riqueza do Inusitado. In: Equipe do CRP/07. Entre Linhas – Publicação do Conselho Regional de Psicologia CRP 07. Janeiro/Fevereiro. p. 03.
  • Entrevistadora: Mônica Kanitz – Reporter de Cultura – Mtb 8103. E-mail: [email protected]
  • Entrevistado: Psicólogo Alex Tavares (CRP 07/11807).

 

A rua como espaço terapêutico, onde o ônibus que bate, o cachorro que late, o camelô que anuncia seu produto ou as brincadeiras do menino de rua contribuem para o sujeito se perceber e descobrir outros modos de agir, pensar e se relacionar.

 

Esta é uma das possibilidades do Acompanhamento Terapêutico (ou AT), um recurso da Psicologia normalmente encarado como terapia de segunda categoria e que vem ganhando novo fôlego e vários entusiastas no Brasil.

 

Gostou do que vem por aí? Então, ajude muitas pessoas com 1 clique! Basta compartilhar agora mesmo esse conteúdo nas suas redes sociais preferidas! Passe adiante essas informações essenciais sobre saúde que todo mundo precisa saber.

 

Na vizinha Argentina, o AT é uma prática reconhecida e que ganhou visibilidade no contexto da reforma psiquiátrica, ficando atrelado à realidade da saúde mental e ao tratamento da loucura.

 

Em terras brasileiras, entretanto, já se articula o AT com a Psicologia Cognitiva, Social, o cinema, a Psicanálise, além de filósofos, biólogos e outros pensadores, aplicando-o inclusive a questões sociais e ao estudo da mídia.

 

O psicólogo Alex Sandro Tavares da Silva vê no Acompanhamento Terapêutico uma maneira de promover saúde e também de alterar a percepção política dos envolvidos nesta caminha terapêutica, que também chama de Fazer Andarilho.

 

“Penso o Fazer Andarilho com uma maneira de ampliar as possibilidades de vida, de lidar com a vida como ela é. E isso inclui o medo, a poluição, as diferenças e tudo o mais que a cidade comporta, ou seja, tomamos estes elementos para criar intervenção”, explica o psicólogo, que está se dedicando ao assunto através da sua pesquisa de Mestrado, que cursa na Universidade Federal do RS.

 

PRECISA DE VÁRIOS LIVROS DE ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO?

 

Segundo ele, outro aspecto importante do AT é levar em conta o inusitado da cidade, aproveitar o incontrolável para produzir sentidos não só no acompanhado mas também em todo coletivo.

 

“Saímos na rua para propor outras formas de viver a vida. Não é um trabalho que visa só a mudança do sujeito, mas também a própria mudança do profissional da Psicologia e a forma como as pessoas lidam com o sujeito que está sendo acompanhado”, diz.

 

Para exemplificar, Tavares lembra o caso de um garoto autista que atendeu durante algum tempo no bairro onde vivia. No começo, todos o olhavam com preconceito e medo, já que o “louco” puxava os cabelos das crianças e não obedecia ninguém. Seis meses depois, o dono de um bar que antes comentava o quanto era difícil lidar com o garoto agora já admitia que preferia tê-lo como cliente porque sabia escolher e pagava na hora.

 

“Depois do garoto autista ter experimentado as possibilidades do seu bairro ele também foi provocando mudanças em todos. As pessoas perceberam que o sujeito que era tido como louco também podia estar articulado, bancando seus desejos e convivendo nesse contexto. E este é o aspecto político que ressalto com o Fazer Andarilho, um tipo de Acompanhamento Terapêutico que vai trabalhar na construção de outras formas de lidar com a diferença, que vai intervir em todo o contexto social”, observa Tavares.

 

Já aproveitar o inusitado e os fatos estranhos que podem surgir durante um Fazer Andarilho exigem uma certa predisposição do psicólogo, uma disponibilidade para circular pela cidade e entrar em contato com o incontrolável.

 

“Neste momento o psicólogo não tem o conforto nem a segurança do seu consultório, mas estará em contato com o que é considerado o ouro do Acompanhamento Terapêutico“, ressalta. “O Fazer Andarilho implica em fazer outras articulações teóricas e aceitar o inusitado. O psicólogo também precisa aceitar que não é só ele que intervém no tratamento do dito paciente e, além disso, participa de um outro processo de construção da cidade”, acrescenta Tavares.

 

A explicação vem acompanhada de outro exemplo “prático”, como o do sujeito que tinha pavor de cachorros e, numa volta pela cidade, junto com o psicólogo, se depara com um Pastor Alemão agressivo.

 

“Aí surgiu o incontrolável, já que eu não tinha domínio sobre a situação. O cão latia muito, o paciente estava apavorado e eu optei por ficar parado, encarando o animal, até que a dona dele apareceu. Depois disso, o acompanhado percebeu que dava para passar pelos cachorros na calçada sem, necessariamente, ser morto por eles”, conta.

 

Mas, independentemente da riqueza proposta pelos locais de circulação do sujeito, o Fazer Andarilho também pode ser usado no consultório. Afinal, o sujeito é membro de um sistema e, como tal, está mergulhado em suas possibilidades, em sua condição política.

 

“Ele tem a sua história, é o que pode ser e, se está no consultório, é porque o sistema está lhe causando algum sofrimento”, observa Tavares.

Conforme ele, outra possibilidade do AT é questionar a posição de interventor solitário atribuída ao psicólogo.

“Acreditamos que o psicólogo é quem faz a intervenção, mas podemos criar outras formas, junto com o coletivo, colocando em xeque a visão da Psicologia individualizante e ideias dadas como verdades”, completa.

O trabalho de Alex Sandro Tavares da Silva – “A Força do Inusitado e a Dimensão Política: algumas possibilidades de um certo tipo de clínica ampliada” – foi um dos selecionados para a Oficina sobre Clínica Ampliada proposta pelo CRP-07 no 3º Fórum Social Mundial. Contatos com o psicólogo pelo site http://www.alextavares.com.br

 

Evolução Pessoal? Saúde Mental? Produtividade Máxima? Ser Terapeuta?

A Riqueza do Inusitado: A Clínica do Acompanhamento Terapêutico
5 (100%) 21 votes

 

ÚLTIMA FORMAÇÃO DE 2018 PARA TERAPEUTAS SEM FRONTEIRAS!